HOME|EM FOCO|Heleno Sotelino|O problema dos estádios no Rio (por Heleno Sotelino - "Renovação e Oxigenação")
  • Heleno Sotelino
    Heleno Sotelino
    Carioca do Jardim Botânico, advogado, imperiano, membro fundador do MR21 e, acima de tudo, tricolor de coração!
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Heleno Sotelino • 07 fev 2017
O problema dos estádios no Rio (por Heleno Sotelino - "Renovação e Oxigenação")

Podemos classificar de deprimente o que se viu em Los Larios na partida do Fluminense contra a Portuguesa. Não me refiro, obviamente, à atuação do nosso tricolor na partida,  da qual saímos com um belo triunfo por 3 x 0, mas sim da patética situação vista antes da partida,   onde se via os gandulas da Portuguesa e até o nosso Vice Presidente Pedro Antonio de rodo na mão tentando tirar água das gigantescas poças que se formaram no gramado, além da situação pra lá de inusitada de ver-se água sendo retirada de balde do campo.

Fico imaginando como podem ter jogos de futebol num campo deste nível e não podem ter jogos nas Laranjeiras.

Mas o que me deixa mais triste ainda é que esse não é o único caso de estádio sem condições de jogo que se vê por aí.

Moça Bonita, por exemplo, até que não seria tão ruim, apesar das más condições do gramado, mas não dispõe de refletores, o que faz com que todos os jogos ali marcados sejam disputados à tarde, o que significa dizer que, em pleno verão do Rio de Janeiro, com a sensação térmica chegando a quase 50 graus, se marque jogos dos grandes clubes para esse estádio. Isto faz com que tenhamos sempre público pequeno, mormente pelo horário, e torna o jogo algo desumano, pois submete os atletas a condições de temperatura que destroem qualquer tentativa de uma boa preparação física dos mesmos.

Edson Passos no momento interditado.

O Luso-Brasileiro em obras para abrigar nosso rival no Brasileiro.

Rua Bariri e Ítalo Del Cima esquecidos e abandonados pelo tempo.

E o que dizer do Maracanã? Do nosso querido Maraca?

Depredado, abandonado, com a luz cortada com a cobertura danificada, cadeiras furtadas, às moscas e sem que se decida quem o assumirá. O Governo do Estado não está nem um pouco preocupado com a saúde do grande ponto turístico que é o Maraca.

Mais de R$ 1 bilhão gastos para que hoje se investigue para onde este dinheiro todo foi. E que se danem os contratos assumidos, que se esqueçam as gloriosas tardes de domingo que tanto fizeram o mundo vibrar. E que se mordam os torcedores que tantas alegrias davam aos clubes cariocas e transformavam nosso campeonato no mais charmoso do Brasil.

Isto é passado.

A única alternativa hoje é o Engenhão, mas apenas para os grandes clássicos que, por sinal, se apequenaram.  

As exorbitantes taxas cobradas pelo clube do bairro vizinho transformam em prejuízo qualquer jogo com menos de 25 mil pessoas por lá.

E vamos jogando como dá. Na Primeira Liga certamente teremos Juiz de Fora e Volta Redonda como opções cômodas e para que nos sintamos em casa.

Mas vem o Brasileiro e espero que até lá já tenhamos a solução para o Maracanã e Edson Passos. Prontos para receberem nossa torcida.

Mas vamos pensar um pouco nas Laranjeiras. Um estudo para uma reforma que possibilite jogos pequenos lá. Antes de nós mesmos colocarmos obstáculos como de costume (estacionamento, engarrafamento, Palácio ao lado e coisas do gênero), vamos pensar que temos duas estações do metrô por perto, que o bairro se valorizaria com a visibilidade e que é a nossa casa. A nossa história.

Pensar não custa nada.

Enquanto isso, vamos a Bangu, a Los Larios e vamos fazer as finais no nosso salão de festas, o Engenhão.

É o que nos resta. E aos cariocas como um todo.

 

                        

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Carlos Mattos - 22/03/2017 às 15h04
Com certeza LARANJEIRAS. Nossa casa, nosso patrimônio, nossa história, NOSSA IDENTIDADE. Não há como se conceber a possibilidade de se atuar em Los Larios, por exemplo, e não nas Laranjeiras. Hoje temos o CT, não há mais desgaste no gramado das Laranjeiras, que pode ser o melhor do Rio de Janeiro. Temos acesso a Laranjeiras pela estão Metrô do Lgo do Machado, muito facilmente. Condução de toda as zonas Sul e Norte. Estamos jogando em estádios cujo público tem girado em torno de, no máximo, 4 mil torcedores. POR QUE NÃO EM LARANJEIRAS ?
Responder
Felippe Feitosa - 07/02/2017 às 23h21
Isso mesmo, Heleno. O Estádio das Laranjeiras é um patrimônio do futebol mundial, berço da seleção brasileira, não pode ficar abandonado como está no momento.
Responder
oi - 07/02/2017 às 18h38
Todo ano o mesmo assunto: Laranjeiras sim ou nao... Ja esta na hora de saber a resposta - mesmo que negativa!! Assim podemos focar em uma das opcoes entre Laranjeiras, Maraca, ampliacao do estadio do America ou construcao de novo estadio. Cada um tem uma opiniao mas ninguem sabe ao certo o que pode, nem mesmo o que eh viavel. Gostaria de sugerir ao povo dessa pagina que faca um crowdfunding para pagar o estudo de viabilidade! Pegue um orcamento de consultoria e poe la no kikante para os tricolores participarem! Quando pronto o estudo divulgue para todos e para a diretoria e FIM dessa estoria!!
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden