HOME|EM FOCO|Edgard Nascimento Neto|MEMÓRIA TRICOLOR: Galhardo, cinquenta anos da estreia no Flu (por Edgard Nascimento - "Testemunha da história")
  • Edgard Nascimento Neto
    Edgard Nascimento Neto
    Carioca, Engenheiro, Tricolor desde sempre, fã incondicional do futebol. Frequenta os estádios desde 1959, aos cinco anos. De Laranjeiras, para o mundo.
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Edgard Nascimento Neto • 22 jun 2018
MEMÓRIA TRICOLOR: Galhardo, cinquenta anos da estreia no Flu (por Edgard Nascimento - "Testemunha da história")

Neste 23 de junho, há cinquenta anos, estreava no Fluminense um dos maiores zagueiros de sua história: João José Galhardo.

Revelado pela Ferroviária de Araraquara, Galhardo estava no Corinthians quando foi contratado para reforçar nossa defesa, na posição de zagueiro-central.

Com o fim do Campeonato Carioca, no qual não fizemos boa presença, muitos clubes excursionavam, aproveitando um bom intervalo até o início do Torneio Roberto Gomes Pedrosa, que era praticamente o campeonato brasileiro da época.

Galhardo jogou pela primeira vez vestindo nossa camisa em um amistoso, na cidade de Uberlândia, em Minas Gerais, enfrentando a equipe da casa. O empate em 1 a 1 não refletiu o que foi a partida, dominada amplamente pelo nosso time.

Três dias após esse amistoso, disputado em um domingo, houve a famosa "Passeata dos Cem Mil", no Centro do Rio, que reuniu estudantes, professores, artistas, intelectuais e todos que puderam comparecer para protestar contra o regime instaurado pelos governos militares. Começávamos a viver uma época tenebrosa, com as liberdades políticas tolhidas e resumidas a um falso bipartidarismo.

Logicamente, com toda a criação de um clima preocupante, o time ficou apenas treinando, voltando a atuar apenas no início do mês seguinte, em amistosos no sul do país.

Um mês após sua estreia, Galhardo pôde finalmente atuar perante nossa torcida. O jogo foi contra o Bonsucesso, no Maracanã, pela Taça Guanabara, que na época era uma competição à parte, que naquela edição contou com sete clubes em turno único, antes do início do Torneio Roberto Gomes Pedrosa, o Robertão.

Meu pai compareceu ao Maraca, saindo entusiasmado não apenas com nossa vitória, por 4 a 0, mas sim pela atuação do nosso defensor. Disse ele que o Fluminense contratara "um senhor zagueiro".

Galhardo, fazendo dupla de área com o paraense Assis, atuou no Fluminense por pouco mais de três anos, conquistando as Taças Guanabara de 1969/71, bem como os Campeonatos Cariocas desses dois anos, além do Título Brasileiro de 1970.

Contundiu-se seriamente jogando no Brasileiro de 1971, tendo que encerrar prematuramente sua carreira futebolística.

Recentemente, no Fluminense, tive a oportunidade de revê-lo e dar-lhe um fraternal abraço, ao lado de inúmeros Tricolores, que já o conheciam e outros que passaram a conhecer sua extraordinária pessoa.

Muito obrigado, Galhardo!

 

TOQUE SUTIL: Contagem

Faltam 322 dias para o Centenário do Estádio das Laranjeiras.

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden