HOME|EM FOCO|Edgard Nascimento Neto|MEMÓRIA TRICOLOR: O Fluminense e a passeata dos 100 mil (por Edgard Nascimento - "Testemunha da história")
  • Edgard Nascimento Neto
    Edgard Nascimento Neto
    Carioca, Engenheiro, Tricolor desde sempre, fã incondicional do futebol. Frequenta os estádios desde 1959, aos cinco anos. De Laranjeiras, para o mundo.
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Edgard Nascimento Neto • 26 jun 2018
MEMÓRIA TRICOLOR: O Fluminense e a passeata dos 100 mil (por Edgard Nascimento - "Testemunha da história")

Há exatamente cinquenta anos, neste dia, realizou-se no Centro do Rio a "Passeata dos Cem Mil", manifestação popular em protesto ao regime governamental vigente.

Uma série de acontecimentos como, por exemplo, a morte do estudante Edson Luís, a violência policial ao final de uma missa, entre outros, motivaram a ocorrência da passeata.

Um clima de descontentamento crescente tomava conta da sociedade em geral, pois a repressão a toda forma de expressão não agradável ao sistema militar, era posta em prática de maneira violenta e arbitrária. O Rio de Janeiro era a "caixa de ressonância" do país naquele ano de 1968.

Nosso Clube, com o fim do Campeonato Carioca, estava em preparativos para as competições seguintes, destacando-se o Torneio Roberto Gomes Pedrosa, que era praticamente o campeonato brasileiro naquela época.

Algumas contratações faziam-se urgentes, pois o último título conquistado de relevância fora o Carioca de 1964. Além disso, vencemos a Taça Guanabara de 1966, que era uma competição à parte, já em sua segunda edição.

Para a renovação do elenco, foram contratados o goleiro Félix, os zagueiros Galhardo e Assis e o centroavante Ademar Pantera, o qual não conseguiu reeditar no comando do nosso ataque, as boas atuações de sua carreira. Já os três primeiros, firmaram-se como titulares, trazendo-nos vários títulos a partir de 1969.

Com a situação de recorrentes manifestos, o gramado das Laranjeiras periodicamente era requisitado para apoio ao vizinho Palácio Guanabara, servindo de eventual ponto para pousos de helicópteros. O Presidente Luís Murgel não teve alternativa senão ceder nosso campo. Resultado: treinos, quase sempre no ginásio.

Não havia clima para amistosos no Rio. Então, optou-se por uma excursão ao sul do país, no início de julho, com a realização de alguns amistosos para manter o plantel em atividade.

Ao retornar, com a situação ainda tensa, porém aparentemente um pouco mais tranquila, o time pôde reiniciar seus treinamentos.

Enquanto a equipe começava a reestruturar-se, o país tinha sua situação política infelizmente agravada.

Contrastes de uma época muito difícil.

 

TOQUE SUTIL: Contagem

Faltam 319 dias para o Centenário do Estádio das Laranjeiras.

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden