HOME|EM FOCO|Thiago D’Aguiar|Lamentável! (por Thiago D'Aguiar - "De Tricolor para Tricolor")
  • Thiago D’Aguiar
    Thiago D’Aguiar
    Administrador formado pela Universidade Veiga de Almeida, pai do Gabriel, marido da Nathália, amante de samba, pagode, carnaval e futebol. E, é claro, muito apaixonado pelo Fluminense!
Ver mais colunas
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
em foco • Por Thiago D’Aguiar • 15 ago 2018
Lamentável! (por Thiago D'Aguiar - "De Tricolor para Tricolor")

Esta palavra não se refere somente ao jogo desta segunda, onde tivemos uma apresentação de quinta, mas também à situação do Fluminense nos últimos anos.

Desde 2013 o clube vem tendo apresentações pífias nas competições, conquistando o expressivo número de zero títulos importantes (não estou considerando turno de carioca como título, nem levando em conta a Primeira Liga).

Nós, torcedores, estamos cansados de entrar nas competições somente para brigar contra o descenso. O Fluminense não é isso e sua torcida sabe muito bem disso. Ver membro da Flusócio postando em sua rede social que a venda de jogadores se deve, também, ao fato da ausência da torcida no estádio, só mostra como ele e seu grupo enxergam o clube.

Para se ter uma ideia, um amigo meu, morador de Niterói, gastou para ir a este jogo contra o Inter, com sua filha: R$ 8,00 de ônibus, R$ 12,00 de barcas, R$ 10,00 de metrô, R$ 45,00 de ingressos e mais o preço do Uber para voltar para casa (isso porque ainda consumiu R$ 5,00 em água). E os que vêm da Zona Oeste e Baixada Fluminense de carro, trem ou ônibus, e desafiam o perigo que temos na cidade para voltar às 22h? E eles ainda têm coragem de culpar a torcida? Tudo isso para ver seu time apanhar dentro de casa.

Se pegarmos de 2013 até hoje, em que ano lutamos pelo título? "Ah, mas em 2014 quase fomos para a Libertadores.". Um ano dentre seis, é motivo de orgulho? Se fosse para me contentar com pouco, não torceria para o Fluminense. Em 2013 não caímos devido a erros alheios, 2014 foi um ponto fora da curva pois chegamos a sonhar com uma possível vaga na Libertadores e, de 2015 em diante, é uma luta constante pelos 47 pontos e mais nada. Fora as apresentações pífias nos clássicos cariocas.

Ver o Sr. Mário Bittencourt comemorar uma 13° colocação no Brasileiro de 2015, assim como uma classificação suada contra o poderoso Madureira, no Carioca do mesmo ano, ver a Flusócio sempre culpando os outros por seus erros e tendo "gestores" como Peter e Abad à frente do clube, só mostra o quanto o Fluminense se manteve um clube de gestão amadora, enquanto outros clubes vêm se profissionalizando. E os primeiros que o fizerem, abrirão larga vantagem contra os demais.

Se queremos um Fluminense com gestão profissional, não podemos ter amadores à frente do clube, a ponto de colocarem um dentista comandando o Futebol e um diretor de futebol que não faz um bom trabalho há muitos anos.

A Flusócio dizia ter a dívida sanada quando, na verdade, só vemos prejuízo e mais prejuízo. Eles dizem sonhar com estádio para 40/50 mil pessoas, mas não conseguem nem 100 mil reais para segurar um ótimo goleiro da base e, muito menos, fazer qualquer ação para aumentar o número de sócios torcedores. Laranjeiras nunca foi o plano deles, mas é a melhor solução para o clube afastar os prejuízos recorrentes e (pelo menos tentar) aproximar a sua torcida do clube novamente. Uma vez que as finanças do clube estejam realmente equilibradas, aí sim, poderemos cogitar um estádio de maior capacidade.

Que na eleição do ano que vem não me venham com PróFlu (fundada por ex-Flusócios), Mário Bittencourt e cia, pois será mais do mesmo. Eu não confio em alguém que ficou esses anos como membro da Flusócio e, depois de seis anos com o Peter, se diz oposição.

O Fluminense precisa da união de pessoas novas e capacitadas tecnicamente para gerir o clube e levá-lo a um novo patamar, mais profissional, com um estatuto e Conselhos mais fortes, que visem somente o Fluminense.

Esses feudos que estão no clube há décadas e só querem saber de si já mostraram que, nas suas mãos, o Fluminense virará um clube de bairro, onde o seu esporte principal deixará de ser o futebol e passará a ser a sueca no bar da piscina.

Então, torcedores, vamos abrir os olhos e nos informar melhor, pois 2019 está batendo à porta e nosso futuro está preocupante.

Saudações Tricolores.

VOLTAR PARA EM FOCO
Compartilhe
  • Googlemais
comente
Ubirajara Nascentes Alves - 15/08/2018 às 18h24
Desempenho sofrível do Time (sempre "ressuscitando" os lanternas da tabela e entregando jogos com facilidade)!
Responder
Distribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e DescartáveisDistribuidora de Produtos Alimentícios e Descartáveis
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden