HOME|NOTÍCIAS|Eliminação do Flu na Copinha exige "reflexão e atitudes", diz Marcelo Veiga
Nas Laranjeiras • Texto e foto: Sérgio Pais • 10 jan 2018
Eliminação do Flu na Copinha exige "reflexão e atitudes", diz Marcelo Veiga

O clima no vestiário do time de júnior do Fluminense na tarde desta terça-feira era de tristeza e silêncio minutos após a derrota para o Marília, por 2 a 0, resultado que eliminou o Tricolor ainda na primeira fase da 49ª edição da Copa São Paulo de Futebol de Júnior. A partida que abriu a última rodada do Grupo 8 da Copinha foi realizada no estádio Bento de Abreu, em Marília.

Nenhum jogador falou com a imprensa, mas o coordenador técnico Marcelo Veiga, que dirigiu o time na competição no lugar de Léo Percovich, que sofreu um grave acidente no fim do ano passado e perdeu duas filhas, admitiu que o resultado foi "muito ruim". Antes, na segunda rodada, o Fluminense já havia sido derrotado pelo Tubarão-SC, por 3 a 2.

- Duas derrotas em três jogos e eliminação ainda na primeira fase é um resultado muito ruim e que vai exigir que a gente repense algumas coisas. Teremos de fazer uma reflexão e tomar atitudes - disse Veiga.

Segundo o treinador, nem mesmo o desfalque de quase um time inteiro nesta competição pode servir de desculpa para a equipe que é a segunda maior vencedora da Copa SP, com cinco conquistas (1971, 1973, 1977, 1986 e 1989).

O Fluminense foi a Marília, sede do Grupo 8 da Copinha, com nove desfalques. Entre eles, três que foram promovidos ao time profissional (Pedro Paulo, Ibanez e Diogo), um que foi emprestado ao Botafogo-SP (Mascarenhas) e cinco que integram o projeto STK Flu Samorin, na Eslováquia (Wisney, Gabriel Silveira, Nascimento, Schutz e Bernardo).

- Tivemos alguns jovens que não puderam vir, e é claro que eles fazem falta, mas isso não pode ser usado como desculpa. Mesmo com esses desfalques, o time poderia ter ido melhor e se classificado na primeira fase - admite o treinador.

Veiga também considera natural o clima de abatimento que tomou conta do elenco logo após a partida.

- Tem de ficar abatido mesmo. Se um jogador que joga num Fluminense que é eliminado na primeira fase de uma Copa São Paulo não ficar abatido, é porque tem alguma coisa errada - completou Veiga.

Compartilhe
  • Googlemais
comente
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden