HOME|NOTÍCIAS|Atuação de elite de JC mantém invencibilidade do Flu no século (por João Garcez - blog Terno e Gravatinha)
Artigos • Por João Garcez - blog Terno e Gravatinha - Foto: Lucas Merçon - Fluminense F.C. • 03 dez 2018
Atuação de elite de JC mantém invencibilidade do Flu no século (por João Garcez - blog Terno e Gravatinha)

Tão somente por sua grandeza, o Fluminense jogará em 2019, pela vigésima vez consecutiva, a Série A do Campeonato Brasileiro.

Apesar de seus inúmeros problemas gerenciais, é um dos raros clubes do país a não ter caído no século XXI.

Além dele, só Santos, São Paulo, Cruzeiro e Flamengo (este, salvo por um erro administrativo da Portuguesa, em 2013) têm feito igual.

Em 2018, o Tricolor bateu na trave.

Tenha sido na cobrança de pênalti do atleticano Fábio Santos, na penúltima vitória do time.

Ou nas mãos de Júlio César, depois da batida do americano Luan, na última.

Em ambas as ocasiões, o jogo estava 0 a 0, quando o Flu se safou do pior.

O Fluminense, que não teve nenhum pênalti marcado a seu favor em 38 rodadas, teve ainda uma terceira vitória por 1 a 0, contra o Botafogo, com cobrança desperdiçada pelo adversário. Nesta, de Rodrigo Lindoso, que parou em Rodolfo.

Só nestes três tiros salvadores o Fluminense conquistou, em apenas três partidas, um quinto da pontuação que atingiu em 38 rodadas.

Na rodada final, pode-se dizer que Júlio César tenha defendido ainda uma segunda cobrança, ao salvar gol certo também de Luan, quando entrou cara a cara. No rebote, foi a vez do veterano Gum, que como outros tantos falou em tom de despedida, salvar o time.

O Fluminense quebrou o jejum de vitórias e de gols, na cabeçada de Richard, negociado com o Corinthians.

O volante mostrou hombridade, e gratidão ao clube, ao se portar como verdadeiro profissional ao jogar com extrema dedicação, mesmo já havendo sido vendido há algumas semanas.

A vitória por 1 a 0 na rodada final deixa o time na Série A, mas não mascara as sujeiras, que não podem agora, de jeito algum, serem varridas para debaixo do tapete.

O clube terminou a competição em 12º lugar, a sua melhor colocação nas últimas quatro edições (que maravilha, hein, Flusócio?).

A combinação de resultados (tropeços de Corinthians e Ceará) ainda lhe deixou com uma vaga na Sul-Americana do ano que vem.

Mas, sem técnico, sem elenco e, sabe-se lá, também sem presidente, é muito difícil imaginar o que será do Fluminense em 2019.

A coluna, apesar do fim do Brasileiro, não para e volta a ser publicada neste meio de semana, com o balanço do clube na temporada.

Apesar do alívio, o Flu desceu mais alguns degraus este ano.

Nada que se comemore.

Compartilhe
  • Googlemais
comente
©2017 OBSERVATÓRIO DO FLUMINENSE
Os Woden